Instituto Missionário dos Filhos e Filhas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e das Dores de Maria Santíssima

 

Nº 09

 

REMÉDIOS PARA EVITAR A MASTURBAÇÃO

 

A masturbação é uma satisfação sexual que a pessoa provoca em si mesma e só para si mesma... vive “fechada” em si mesma, sedenta do prazer.

A prática da masturbação quando é repetida muitas vezes transforma-se em obsessão ou mania... e pode acarretar danos à saúde, principalmente ao equilíbrio do sistema nervoso.

O masturbador devora a sua própria carne: “O homem que deseja a sua própria carne... não cessa enquanto o fogo não o consumir” (Eclo 23, 17).

 

Primeiro remédio. É preciso saber que a masturbação é pecado gravíssimo... pecado mortal. É preciso saber que o pecado mortal é a maior de todas as desgraças... esse “monstro” infernal lança a alma imortal e espiritual nas chamas do inferno para sempre. Quem se masturba expulsa a Santíssima Trindade da alma e acolhe o demônio: “O homem, portanto, peca gravemente, não só quando as suas ações procedem do desprezo direto do amor de Deus e do próximo, mas também quando ele, consciente e livremente, faz a escolha de um objeto gravemente desordenado, seja qual for o motivo dessa sua eleição. Nessa escolha... está incluído pelo mandamento divino: o homem aparta-se de Deus e perde a caridade” (Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração sobre alguns pontos da ética sexual, 10).

Não importa o que dizem os ateus, pagãos, mundanos e católicos rebeldes, desobedientes e infiéis... o importante é inclinar a cabeça diante da Santa Doutrina Católica. Muitos sacerdotes dizem que a masturbação não é pecado mortal; esses são inimigos da Santa Igreja... são as “bonecas” melindrosas que entraram pela janela e não pela porta da Igreja de Jesus Cristo: “Ó demônios piores que os demônios! Pelo menos se fossem mais ocultas aos olhos dos súditos as vossas maldades! Ao pecar ocultamente, ofenderíeis a mim, prejudicaríeis a vós mesmos, mas sem escandalizar o próximo. Expondo vossa vida de pecado diante deles, vosso mau exemplo não os ajudará a libertar-se dos próprios vícios. Pelo contrário, será um incentivo a que cometam ações semelhantes e até piores” (Santa Catarina de Sena).

 

Segundo remédio. É preciso saber que Deus pode tirar a sua vida na hora do pecado da masturbação ou logo após ter cometido esse gravíssimo pecado, como castigo. Assim como Deus castigou Onã (Gn 38, 10), poderá também te castigar: “Quer dizer que o Senhor é paciente e espera até certo limite; logo, porém, que se encha a medida dos pecados que a cada homem quer perdoar, cessa o perdão e ele executa o castigo, ferindo-o de morte súbita no estado de condenação em que se acha, ou abandonando-o a seu pecado, que é pior castigo que a morte” (Santo Afonso Maria de Ligório), e: “... se novamente pecares, não te fará Deus morrer no próprio ato do pecado, ou te abandonará depois da queda?” (Idem.).

 

Terceiro remédio. É preciso saber que cometendo o pecado gravíssimo da masturbação perdem-se todos os méritos acumulados até o momento do pecado... com penitências, jejuns, orações, boas obras e outros: É uma morte mais  pavorosa porque não se manifesta exteriormente: não há o fedor da corrupção nem a frigidez rígida. É uma morte em vida, pela qual o pecador fica nu e isolado no meio do amor e abundância divinos. A graça de Deus flui ao seu redor, mas não pode entrar nele; o amor de Deus toca-o, mas não o penetra. Perdem-se todos os méritos sobrenaturais que o pecador havia adquirido antes do seu pecado. Todas as boas obras feitas, todas as orações pronunciadas, todas as Missas oferecidas, os sofrimentos padecidos por amor a Cristo, absolutamente tudo é varrido no momento de pecar. Esta alma em pecado mortal perdeu sem dúvida o céu; se morresse assim, separada de Deus, não poderia ir para lá, pois não há modo de restabelecer a união com Deus depois da morte” (Pe. Leo J. Trese).

 

Quarto remédio. Não tocar ou pegar nos próprios órgãos sexuais além do necessário: “Ao cuidar do asseio pessoal, como vestir-se e lavar-se, deve toda pessoa assumir uma atitude simples e livre de constrangimento. Tocar demoradamente, por ociosidade ou leviandade maliciosa, os próprios órgãos sexuais, constitui prática indecente e pecaminosa, de acordo com a gravidade do perigo que se corre” (Pe. Bernhard Häring).

 

Quinto remédio. Nunca dormir nu... nem com peça íntima justa e pijama apertado... evitar dormir de bruços. Não endeusar o corpo no momento do banho... não abusar do uso de perfumes... não acariciar o próprio corpo...  não andar a cavalo de galope.

 

Sexto remédio. Mortificar o corpo: “Aquele que não se mortifica na comida é impossível que possa guardar sua inocência, pois pela gula se perdeu Adão” (Santa Catarina de Sena).

Toda intemperança na comida e na bebida é prejudicial ao corpo e à alma: “É impossível que não experimente tentações impuras aquele que está saturado de comida” (Cassiano).

O inimigo mais terrível e cruel da nossa alma, e o mais temível, é o nosso corpo, porque sempre está unido a ela... é o mais teimoso; de modo que se pode dizer que todos os dias lhe arma ciladas para fazê-la cair em pecado.

É preciso, com rigor, privar ou moderar o corpo de certos alimentos que excita-o e dá força para as paixões.

 

Sétimo remédio. Comungar todos os dias e aproximar-se da Confissão uma vez por semana: “A Santíssima Eucaristia perdoa os pecados veniais e preserva dos mortais... enfraquece as nossas paixões, e em especial amortece em nós o fogo da concupiscência” (São Pio X), e: “É verdade, e vós bem sabeis, veneráveis irmãos, que há muitos modos e todos muito louváveis, de obter o perdão dessas faltas; mas para progredir mais rapidamente no caminho da virtude, recomendamos vivamente o pio uso, introduzido pela Igreja sob a inspiração do Espírito Santo, da confissão frequente, que aumenta o conhecimento próprio, desenvolve a humildade cristã, desarraiga os maus costumes, combate a negligência e tibieza espiritual, purifica a consciência, fortifica a vontade, presta-se à direção espiritual, e, por virtude do mesmo sacramento, aumenta a graça. Portanto, os que menosprezam e fazem perder a estima da confissão frequente à juventude eclesiástica, saibam que fazem uma coisa contrária ao Espírito de Cristo e funestíssima ao corpo místico do Salvador” (Pio XII). O que será que os sacerdotes, inimigos da Confissão frequente, dizem sobre essas últimas palavras?

 

Oitavo remédio. Oração fervorosa e contínua. Sem oração é impossível alguém vencer a tentação contra a carne: “Para vencermos as tentações, temos necessidade absoluta da ajuda de Deus. Algumas vezes, em tentações mais fortes, a graça suficiente que Deus não nega a ninguém, poderia bastar para resistirmos ao pecado. Mas, devido às nossas más tendências, ela não nos bastará; necessitamos então de uma graça especial. Quem reza, alcança esta graça; quem não reza, não a consegue e se perde” (Santo Afonso Maria de Ligório). O católico que não reza vive atolado na lama da impureza... e se condenará ao inferno: “Quem reza, certamente se salva, e que não reza, certamente será condenado. Todos os santos, exceto as crianças,  salvaram-se pela oração. Todos os condenados se perderam, porque não rezaram. Se tivessem rezado, não se teriam perdido. E este é e será o maior desespero no inferno: o poder ter alcançado a salvação com facilidade, pedindo a Deus as graças necessárias. E, agora, esses miseráveis não têm mais tempo de rezar” (Idem).

 

Novo remédio. Mortificar os olhos. Aquele que olha tudo o que deseja acaba transformando o coração num depósito de lixo: “Há olhares gravemente culpados, que ofendem não somente o pudor, mas até a castidade em si mesma e que, por conseguinte, é forçoso evitar. Outros há que são perigosos, por exemplo, fixar a vista sem razão em pessoas ou objetos que naturalmente hão de suscitar tentações... o cristão sincero, que quer salvar a sua alma, custe o que custar, vai mais longe; para estar seguro de não sucumbir à sensualidade, mortifica a curiosidade dos olhos, evitando, por exemplo, olhar pela janela, para ver quem passa, conservando os olhos modestamente baixos, sem afetação, nas viagens ou passeios” (Adolfo Tanquerey).

 

Décimo remédio. Usar cilício uma hora por dia, com exceção do sábado e domingo... dormir em tábuas de segunda a sexta-feira. Para colocar em prática esse Décimo remédio, é necessário pedir a permissão ao confessor ou diretor espiritual.

 

Décimo primeiro remédio. Lembrar com frequência que Deus vê você em todos os lugares: no banheiro, no mato, no quarto escuro, dentro do carro, atrás do muro, na piscina, no córrego, no mar, na sombra de uma árvore... em todos os lugares: “Deus, tu me sondas e conheces: conheces meu sentar e meu levantar, de longe penetras o meu pensamento; examinas meu andar e meu deitar, meus caminhos todos são familiares a ti. A palavra ainda não me chegou à língua, e tu, Deus, já a conheces inteira. Tu me envolves por trás e pela frente, e sobre mim colocas a tua mão” (Sl 139, 1-5).

 

Décimo segundo remédio. Meditar com frequência a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo... os sofrimentos do Salvador: “Minha alma, ama a um Deus amarrado como um réu por ti, flagelado como escravo por ti, feito rei e escárnio por ti, um Deus finalmente morto na cruz, como um criminoso por ti. Sim, meu Salvador e meu Deus, eu vos amo, eu vos amo. Recordai-me sempre o que sofrestes por mim, para que não mais me esqueça de vos amar. Cordas que amarrastes a Jesus, prendei-me com Jesus. Espinhos que coroastes Jesus, feri-me de amor para com Jesus. Pregos que transpassastes Jesus, pregai-me na cruz de Jesus, afim de que eu viva e morra unido com Jesus. Sangue de Jesus, inebriai-me de santo amor. Morte de Jesus, fazei-me morrer a todo  afeto terreno. Pés transpassados de meu Senhor, eu vos abraço; livrai-me do inferno que tenho merecido. Jesus, no inferno não poderei vos amar, mas eu quero vos amar sempre. Querido Salvador, salvai-me, uni-me a vós e não permitais que eu vos perca!” (Santo Afonso Maria de Ligório).

 

Pe. Divino Antônio Lopes FP (C)

Anápolis, 10 de janeiro de 2018

 

 

Bibliografia

 

Sagrada Escritura

Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração sobre alguns pontos da ética sexual, 10

Santo Afonso Maria de Ligório, Preparação para a morte; A prática do amor a Jesus Cristo; A oração

Adolfo Tanquerey, Compêndio de Teologia Ascética e Mística

Pe. Leo J. Trese, A fé explicada

Pe. Bernhard Häring, A Lei de Cristo – Teologia Moral Especial

Santa Catarina de Sena, Escritos

Cassiano, Escritos

São Pio X, Catecismo Maior

Pio XII, Carta Encíclica Mystici Corporis

Santo Antônio Maria Claret, O caminho reto