Instituto Missionário dos Filhos e Filhas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e das Dores de Maria Santíssima

 

Nº 6

 

ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO

 

Disse Jesus Cristo: “Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15).

São Paulo Apóstolo escreve: “Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!” (1 Cor 9, 16).

A Santa Igreja Católica Apostólica ensina: “Para ser autêntica, a palavra deve ser transmitida sem duplicidade e sem nenhuma falsificação, mas manifestando com franqueza a verdade diante de Deus” (Diretório para o ministério e a vida do presbítero, 45).

Católico, está claro que um BISPO assume uma Diocese e um PADRE uma Paróquia para PREGAREM com sinceridade o Evangelho, ensinando a todos o caminho do céu e se preocupando com a salvação das ovelhas.

O BISPO não deve agir como um EMPRESÁRIO em sua Diocese, mas sim, como um pastor de almas, preocupadíssimo em dar bom exemplo e pregar o Evangelho a todos: “O Bispo diocesano, lembrando que está obrigado a dar exemplo de santidade na caridade, na humildade e na simplicidade de vida, empenhe-se em promover, com todos os meios, a santidade dos fiéis, de acordo com a vocação própria de cada um e, sendo o principal dispensador dos ministérios de Deus, se esforce continuamente para que os fiéis confiados a seus cuidados cresçam na graça mediante a celebração dos sacramentos, e conheçam e vivam o mistério pascal” (Código de Direito Canônico, Cân. 387).

Na paróquia em que trabalha, o PADRE não deve agir como um  MAGNATA, mas deve ser o servo de todos, pregando principalmente com o exemplo de vida: “Melhor é calar-se e ser do que falar e não ser. Coisa boa é ensinar, se quem diz o faz” (Santo Inácio de Antioquia), e: “É viva a palavra quando são as obras que falam. Cessem, peço, os discursos, falem as obras. Estamos saturados de palavras, mas vazios de obras e por isto amaldiçoados pelo Senhor, porque Ele amaldiçoou a figueira em que não encontrara frutos, apenas folhas” (Santo Antônio de Pádua), e também: “É esta a finalidade mais nobre dos ensinamentos: que os que ensinam, conduzem para a vida feliz junto com Cristo pelo exemplo não só do que fazem, mas também pelo que dizem. O agir apenas não basta na instrução verdadeira” (São João Crisóstomo), e ainda: “Ninguém deve ter a audácia de se constituir guia dos outros, a não ser que na prática das virtudes se tenha tornado semelhante a Deus” (São Dionísio).

A PREOCUPAÇÃO PRINCIPAL de um BISPO e de um PADRE deve ser ajudar cada católico a VIVER na GRAÇA SANTIFICANTE; todo o resto é SECUNDÁRIO.

Católico, para que servem tantos CONGRESSOS se os fiéis vivem nas garras do demônio?

Construir FACULDADES se os fiéis estão mortos espiritualmente?

Promover tantas REUNIÕES se os católicos estão nas trevas do pecado?

Incentivar tantas ROMARIAS se os féis não passam das trevas para a luz?

O que dizer de um BISPO e de um PADRE que NÃO se preocupam com a salvação dos fiéis?  Que não os ajudam a viver na GRAÇA SANTIFICANTE?

Sem dúvida, estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

Centenas de BISPOS e milhares de PADRES não pregam sobre a GRAÇA SANTIFICANTE, e sem esse conhecimento, milhões de católicos vivem no PECADO MORTAL, longe de Deus e mortos espiritualmente: “Membros mortos da Igreja são os fiéis que estão em pecado mortal” (São Pio X, Catecismo Maior, 167).

Católico, lembre-se continuamente de que sem a GRAÇA SANTIFICANTE ninguém ENTRARÁ no céu.

Por GRAÇA HABITUAL ou GRAÇA SANTIFICANTE, entende-se:

- aquele dom sobrenatural

- que nos faz participar da vida divina,

- e que fica inerente à alma,

- à maneira de qualidade permanente.

 

Diz-se:

 

a) Que nos faz participar da vida divina, porque a essência mesma da graça consiste em nos comunicar algo da vida de Deus.

b) Que fica inerente à alma e não apenas às suas potências (inteligência e vontade): porque é o princípio de vida sobrenatural e, portanto, deve unir-se ao princípio vital, que é a alma. Como da saúde se diz que a possuímos no corpo, assim a graça se possui na alma.

c) À maneira de qualidade, isto é, como algo que modifica a alma, aperfeiçoando-a.

d) Permanente, porque perdura enquanto o pecado mortal não nos leve a perdê-la.

 

Essa graça santificante:

 

a) Recebe-se inicialmente no Batismo.

b) Aumenta principalmente mediante a recepção dos sacramentos, também pela oração e pelas boas obras.

c) Determina a salvação, visto que, se a tivermos no momento da morte, assegura a bem-aventurança eterna, e, se a não tivermos ao morrer, é inevitável a condenação eterna.

d) Perde-se por qualquer pecado mortal.

e) Pode ser recuperada mediante o sacramento da Penitência ou pela contrição perfeita acompanhada do desejo de receber esse Sacramento.

 

Excelência da graça santificante

 

A graça santificante confere a dignidade mais elevada a que o homem pode aspirar. Com ela se possui uma vida superior que não se compara com qualquer das mais elevadas aspirações naturais da criatura racional. Pela graça o homem recebe o maior dos reinos: Deus torna-o participante de todos os seus bens.

 

Efeitos da graça santificante

 

São três os seus principais efeitos:

1. Apaga o pecado: é o que se chama justificação.

2. Produz na alma a vida sobrenatural.

3. Comunica aos nossos atos mérito sobrenatural.

 

1 A justificação

 

Justificação é a passagem do estado de pecado ao estado de graça. É uma verdadeira remissão dos pecados, visto que o pecado e a graça não podem estar ao mesmo tempo na alma. O pecado produz nela o estado de aversão a Deus, e a graça é uma certa participação e semelhança com Deus.

 

2 A vida sobrenatural

 

Simultaneamente com a remissão do pecado, a vida de Deus comunica-se à alma. É o que São Pedro exprime, ao dizer que pela graça somos feitos  “partícipes da natureza divina” (2 Pd 1, 4).

Tendo Deus destinado o homem para fruir da posse de Si mesmo, permite que já desde a vida mortal possa o homem gozar, de algum modo, desse Bem, por meio da graça. A graça é, pois, uma vida nova, a vida de Deus em nós. Explica-o Santo Agostinho assegurando que a graça “é o próprio Deus em nós presente, a fim de ser para a nossa alma o que esta é para o nosso corpo: princípio de vida e de ação”.

Note-se, porém, que a graça não é Deus, mas sim, o efeito criado que Deus produz na nossa alma.

 

3 As ações tornam-se meritórias

 

Por receber forma de um princípio sobrenatural de vida e de ação, qualquer ato bom realizado pelo homem em estado de graça supõe um direito que Deus lhe outorga de receber uma recompensa sobrenatural (mérito, na definição clássica, direito a um prêmio).

Em virtude da distância infinita entre Deus e o homem, não haveria possibilidade de mérito por parte da criatura perante o Criador, sem um plano divino que o fundamentasse; quer dizer, a condição para se poder merecer – ter direito a um prêmio - é que Deus assim o tenha disposto.

Por parte do homem, as condições para merecer bens sobrenaturais são:

a) Que se encontre em estado de graça.

b) Que o ato seja livre.

c) Que a ação seja moralmente boa, quanto ao objeto, fim e circunstâncias.

É verdade de fé que, com as boas obras feitas em estado de graça, podemos merecer: o Céu, o aumento da graça e o aumento de glória, em conformidade com as promessas feitas por Jesus. Além deste mérito propriamente dito, - também chamado mérito de condigno -, existe outro mérito impropriamente dito – é o chamado mérito de côngruo, que não consiste no direito a obter uma graça com fundamento nas promessas divinas, mas sim, na confiança de obtê-lo pela divina misericórdia. Neste sentido, aquele que não está em graça pode merecer, de côngruo, a graça da conversão, em virtude das suas boas obras. De condigno, o homem em pecado não tem direito a nenhuma recompensa.

 

Será que os católicos conhecem essa Doutrina? Será que os BISPOS e os PADRES pregam essa Doutrina?

Católico, o BISPO de sua diocese ou o PADRE de sua paróquia já lhe ensinou essa preciosa Doutrina sobre a GRAÇA SANTIFICANTE?

Penso que NÃO!

Eles estão preocupadíssimos é com a inculturação, missa de “cura”, missa do “vaqueiro”, missa “Afro”, missa “sertaneja”, reforma agrária, romaria da terra, política... estão com a agenda cheia de coisas secundárias e não reservam nenhum tempo para ensinar aos fiéis o mais importante: VIVER na GRAÇA SANTIFICANTE.

O que dizer de um BISPO e de um PADRE que NÃO se preocupam com a salvação dos fiéis?  Que não os ajudam a viver na GRAÇA SANTIFICANTE?

Sem dúvida, estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

Centenas de BISPOS e milhares de PADRES respeitam mais os fiéis do que a Deus.

Chegam numa Diocese ou numa Paróquia, encontram os fiéis católicos AGARRADOS a certos COSTUMES (tradições caducas), e para não INCOMODÁ-LOS, deixa-os viverem no ERRO. Quanta covardia! Por um falso respeito deixam milhares de pessoas viverem às margens do catolicismo sem conhecer a GRANDEZA da DOUTRINA Católica.

O que dizer de um BISPO e de um PADRE que agem assim?

Sem dúvida, estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

Não se pode omitir a pregação da Palavra de Deus para agradar aos homens. É preciso pregá-la com fidelidade e sem medo, somente assim será possível tirar as pessoas das trevas do erro.

O BISPO e o PADRE que deixam de pregar a Palavra de Deus ou a pregam pela metade e com medo, são COVARDES e estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

São milhões os católicos que nascem, crescem e morrem sem conhecer a Palavra de Deus por culpa de BISPOS e PADRES. Passaram a vida inteira: 30 anos, 50 anos, 80 anos... envolvidos somente com as TRADIÇÕES CADUCAS (costumes da região).

Esse falso respeito de BISPOS e PADRES para com milhões de católicos já levou muitos para a perdição... mas esses OMISSOS terão que prestar contas de suas almas ao Deus JUSTO.

Católico, centenas de BISPOS e milhares de PADRES estão escondendo o verdadeiro alimento dos fiéis dentro da DISPENSA da covardia e da omissão; deixando assim os fiéis viverem nas trevas. Quanta maldade!

Muitos BISPOS e PADRES dizem: não podemos perturbar os fiéis... não podemos exigir uma mudança desse povo que já foi acostumado assim... não se pode mexer nos seus costumes... é ilusão querer mudar tais pessoas... o povo se revolta... afasta das celebrações... é preciso dar ao povo o que ele quer... Quanta estupidez e falsa caridade! É preciso agir totalmente ao contrário: “Assim como os caçadores costumam acossar de todos os lados as feras mais difíceis, também encurralemos os transviados, nós de um lado, vós de outro, e em pouco tempo os apanharemos nas redes da salvação... não pouparei a nenhum dos que me são caros! Antes afligir-vos agora e resguardar-vos da condenação futura do que agradar-vos e ser depois castigado convosco” (São João Crisóstomo, Sermão contra os espetáculos).

São João Crisóstomo foi um verdadeiro pastor de almas, e não um MERCENÁRIO que se preocupa somente com a lã, leite e carne das ovelhas: “Vejamos, portanto, o que aos pastores que se apascentam a si mesmos, não às ovelhas, diz a palavra divina que não adula a ninguém: ‘Eis que bebeis o leite e vos cobris com a lã. Matais as mais gordas e não apascentais minhas ovelhas. Não fortalecestes a fraca; não curastes a doente; não pensastes a ferida, não reconduzistes a desgarrada e não fostes em busca da que se perdera; tratastes com dureza a forte. E minhas ovelhas se dispersaram, por não haver pastor’. Começa por dizer que é que apreciam e o que descuidam aqueles pastores que se apascentam a si, não às ovelhas. Que apreciam? ‘Bebeis o leite, cobri-vos com a lã’. Diz o apóstolo: ‘... quem planta uma vinha e não se alimenta do seu fruto? Quem apascenta um rebanho e não se serve do leite?’ Entendemos por leite do rebanho tudo quanto o povo de Deus dá ao bispo para sustento da vida terrena. Era o que queria dizer o Apóstolo com as palavras citadas” (Santo Agostinho, Sermão sobre os pastores).

BISPOS e PADRES não assumem Dioceses e Paróquias para agradarem os fiéis, mas sim, para agradarem somente a Deus que tudo vê e tudo sabe.

Cristo Jesus estava um dia pregando e disse: “Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida...” (Jo 6, 55). A Bíblia diz que MUITOS de seus discípulos não gostaram de ouvir essas palavras e se afastaram d’Ele: “Muitos de seus discípulos, ouvindo-o, disseram: ‘Essa palavra é dura! Quem pode escutá-la? A partir daí, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele” (Jo 6, 60.66).

Jesus Cristo, o Deus VERDADEIRO e não MERCENÁRIO e OMISSO, não lhes disse que era uma brincadeirinha... mas disse abertamente: “Isto vos escandaliza? E quando virdes o Filho do homem subir aonde estava antes?” (Jo 6, 61-62). Ao invés de recuar com medo de perder muitos discípulos escandalizados, Nosso Senhor disse mais uma verdade: “E quando virdes o Filho do homem subir aonde estava antes?”

Depois, sem MEDO e sem MELOSIDADE, disse aos DOZE APÓSTOLOS: “Não quereis também vós partir?” (Jo 6, 67).

Está claro que numa Diocese e numa Paróquia deve ser pregada a Santa Doutrina Católica sem MEDO, para agradar a Deus e não aos homens: “Na verdade, não vos quero ver agradando aos homens, mas a Deus” (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Romanos).

Jesus Cristo NÃO ENGORDOU almas para o inferno, como fazem muitos BISPOS e PADRES, mas pregou a VERDADE abertamente: “Falei abertamente ao mundo... nada falei às escondidas” (Jo 18, 20).

Hoje, infelizmente, em centenas de Dioceses e milhares de Paróquias, BISPOS e PADRES estão brincando de religião como criancinhas brincam de casinha... vão EMPURRANDO os fiéis ladeira abaixo... vão “cozinhando” uma multidão de fiéis que passam anos e anos em PECADO MORTAL, e nem são  avisados do grande perigo  de se condenarem eternamente... vão à Santa Missa aos domingos e comungam sem se confessarem... vivem amasiados e são “abençoados”... não são batizados e ninguém se preocupa... frequentam o espiritismo, terreiro de macumba e o protestantismo... e dizem que tudo é obra de Deus... Nada de mudança de vida... sempre as mesmas caras e os mesmos narizes... vivem estacionados. É o FAMOSO SOPÃO INSOSSO e MAL COZIDO.

O que dizer desses BISPOS e desses PADRES?

Sem dúvida, estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

Os BISPOS e PADRES devem arrancar do coração o MEDO de pregar a VERDADE, mesmo que seja preciso derramar o próprio sangue como fizeram os apóstolos e muitos santos da Santa Igreja Católica: “Decidimos, contudo, confiados em nosso Deus, anunciar-vos o Evangelho, no meio de grande luta” (1 Ts 2, 2), e: “Dais-vos conta do perigoso que pode ser calar-se? O ímpio morre, e morre com razão; morre no seu pecado e na sua impiedade: a sua própria negligência o mata. Pois poderia ter encontrado o pastor que vive e que diz: ‘Pela Minha vida, diz o Senhor...’; como foi negligente, e o que recebeu o encargo de o admoestar também o não fez, um morre justamente e o outro, justamente também, é condenado” (Santo Agostinho, Sermão 46, 20).

Disse Jesus Cristo: “... e a verdade vos libertará” (Jo 8, 32).

Que BISPOS e PADRES aprendam com Nosso Senhor a pregar a VERDADE, toda a VERDADE... e ABERTAMENTE, sem MEDO de desagradar os fiéis.

Que BISPOS e PADRES aprendam com São Paulo Apóstolo  a pregar a VERDADE: “Uma vez que Deus nos achou dignos de confiar-nos o Evangelho, falamos não para agradar aos homens, mas, sim, a Deus, que perscruta o nosso coração” (1 Ts 2, 4), e: “É porventura o favor dos homens que agora eu busco, ou o favor de Deus? Ou procuro agradar aos homens? Se eu quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo” (Gl 1, 10).

Que BISPOS e PADRES aprendam com São João Crisóstomo a agradar somente a Deus na pregação: “... em suas pregações procure apenas agradar a Deus. Só Deus deverá servir-lhe de orientador e fim ao preparar suas práticas; jamais os louvores e aplausos da multidão” (O sacerdócio, Livro 5, 7).

Que BISPOS e PADRES preguem a VERDADE sem jamais adulterá-la, como ensina a Santa Igreja Católica, a ÚNICA Esposa de Cristo Jesus: “O presbítero, com uma maturidade responsável, evitará disfarçar, reduzir, distorcer ou diluir o conteúdo da mensagem divina. Com efeito, a sua missão não é de ensinar uma sabedoria própria, mas sim, de ensinar a palavra de Deus e de convidar insistentemente a todos à conversão e à santidade” (Diretório para o ministério e a vida do presbítero, 45).

Como já foi dito, muitos BISPOS e PADRES estão ENGORDANDO ALMAS para o INFERNO, justamente porque não se preocupam que os fiéis VIVAM com a GRAÇA SANTIFICANTE na ALMA, deixando esse AMONTOADO de gente viver sem formação... percorrendo o caminho que leva ao inferno eterno: “Meu povo será destruído por falta de conhecimento” (Os 4, 6).

O que está errado e o que atrapalha os fiéis de crescerem na santidade deve ser ARRANCADO imediatamente; não se pode alimentar aquilo que é motivo de escândalo: “O escândalo é um pecado grave, porque tende a destruir a maior obra de Deus, que é a redenção, com a perda das almas: pois que ele dá ao próximo a morte da alma tirando-lhe a vida da graça, que é mais preciosa que a vida do corpo; e porque é causa de uma multidão de pecados. Por isso, Deus ameaça os escandalosos com os mais severos castigos” (São Pio X, Catecismo Maior, 416).

As TRADIÇÕES CADUCAS (costumes) estão cheias de paganismo e escândalo... e muitos BISPOS e PADRES incentivam e fazem parte disso. Que vergonha!

Se tratando de corrigir os fiéis, muitos BISPOS e PADRES usam o “método” do bisturi para não doer tanto... usam também o “método” de jogar a cordinha... e também o da gotinha de mel... para alguns, o que São Francisco de Sales escreveu sobre o mel e vinagre já virou “dogma” de fé. Haja mel!!!

Usam bisturi, jogam a cordinha, lambuzam os fiéis com mel... e nada de mudança. Se Jesus Cristo não for verdadeiramente pregado... de nada valerá esses métodos de pastores melosos: “Não haverá nunca evangelização verdadeira se o nome, a doutrina, a vida, as promessas, o reino, o mistério de Jesus de Nazaré, Filho de Deus, não forem anunciados” (Paulo VI, Evangelii Nuntiandi, 22).

Está claro que a preocupação principal de um BISPO em uma Diocese e de um PADRE numa Paróquia é a de ajudar cada católico viver na GRAÇA de DEUS... o resto é secundário.

O BISPO e o PADRE que não se preocupam com a salvação das ovelhas, estão ENGORDANDO ALMAS PARA O INFERNO.

Existem milhões de católicos que vivem AGARRADOS aos COSTUMES CADUCOS chamados de TRADIÇÃO; se esses COSTUMES são obstáculos para o crescimento espiritual e para a salvação das almas, devem ser ARRANCADOS como ERVAS DANINHAS.

Católico, olhe para a vida dos católicos... são milhões que vivem na ESCURIDÃO. Vão à igreja para se casar, batizar filhos, Missa de sétimo dia, romarias mundanas... e depois... e depois... nada de vivência... vivem adormecidos nas garras do demônio vivendo em PECADO MORTAL.

Que exemplo esses milhões de católicos dão para os outros? A Santa Igreja pode contar com eles para quê? O que se pode fazer com esses defuntos? São batizados que vivem caminhando para o inferno: “Quem, sendo muito embora membro da Igreja Católica, não pusesse em prática os seus ensinamentos, este seria membro morto, e, portanto, NÃO SE SALVARIA, porque para a salvação de um adulto requerem-se não só o Batismo e a fé, mas também as obras conformes à fé” (São Pio X, Catecismo Maior, 171), e: “Queres saber o que representam estas pedras que foram quebradas longe da torre? São os filhos da iniquidade; sua fé é apenas hipocrisia e não renunciaram totalmente ao mal. Também NÃO HÁ para eles SALVAÇÃO...” (Hermas).

Por culpa de BISPOS e PADRES, milhões de católicos estão vivendo no PECADO MORTAL, longe de Deus.

Católico, para que serve uma lâmpada queimada? Para nada. Pode-se colocar milhares delas numa sala e a mesma continuará escura.

Para que serve o sal insosso? Para nada. Pode-se colocar um quilo dele na comida e a mesma permanecerá sem sabor.

Para que serve um católico que vive em PECADO MORTAL? É luz que ilumina? É sal que salga? É modelo a ser imitado? Não! “... vive na certeza do inferno” (Santa Catarina de Sena, O Diálogo, 46).

Para que servem milhares de católicos em uma Diocese VIVENDO em PECADO MORTAL? Um amontoado de católicos em uma Paróquia,  se VIVEM em PECADO MORTAL? Esses só servem para dar mau exemplo e escandalizar os que ainda lutam pelo bem... servem para obstaculizar a entrada daqueles que desejam se aproximar da Santa Igreja Católica: “Quando os pagãos escutam da nossa boca os pensamentos de Deus, admiram a sua beleza e grandeza; mas, depois, quando percebem que as nossas obras não correspondem às nossas palavras, então mudam de idéia e começam a blasfemar dizendo que o cristianismo é somente um mito e um engano” (São Clemente Romano, 2ª carta aos coríntios, 13), e: “Jesus diz que devemos antes fazer e depois ensinar a fazer; ele coloca a prática do bem antes do ensino, mostrando que poderemos ensinar com proveito somente se antes pusermos em prática tudo o que ensinamos, e jamais fazer o contrário. Em outra ocasião Jesus dirá: ‘Médico, cura-te a ti mesmo’. Aquele que é incapaz de orientar bem a sua vida e procura educar os outros, corre o perigo de ser ridicularizado por muitos; aliás, nem sequer poderá ensinar porque as suas ações testemunharão o contrário das suas palavras” (São João Crisóstomo, Comentário sobre o Evangelho de São Mateus), e também: “As suas palavras permanecem em nós quando fazemos tudo o que nos ordenou e desejamos o que nos prometeu; no entanto, quando as suas palavras permanecem em nossa memória, mas em nossa vida e nos nossos hábitos não se encontra nenhum sinal delas, então o ramo já não faz parte da videira porque não absorve mais a vida da sua raiz” (Santo Agostinho, Comentário sobre o Evangelho de São João).

Católico, olhando por alto, percebe-se certo movimento em algumas Dioceses... muito barulho e programação; mas quando se olha a prática, o que é oferecido para os fiéis e a maneira de se comportarem.. meu Deus, que desastre!

O principal trabalho em uma Diocese deve ser o de ajudar os fiéis a VIVEREM na GRAÇA de DEUS; do contrário, está ENGORDANDO ALMAS para o INFERNO.

É preciso ZELAR pelas almas... ir ao encontro de cada católico, de casa em casa, para saber se estão bem espiritualmente, isto é, na GRAÇA de DEUS... ensinado-lhes a belíssima Doutrina da Graça Santificante.

É preciso receber com BONDADE os fiéis no confessionário e OUVÍ-LOS com CARIDADE e ATENÇÃO.

É preciso também que o PADRE lhes dê a absolvição exigida pela Santa Igreja, e não fazer uma oração espontânea como acontece em centenas de paróquias.

Católico, São Vicente Palloti escreve: “A questão mais importante que possa haver no mundo é a salvação de uma alma”.

Quem se preocupa com a SALVAÇÃO da ALMA? “O negócio da eterna salvação é, sem dúvida, o mais importante, e, contudo, é aquele de que os cristãos mais se esquecem” (Santo Afonso Maria de Ligório), e: “Louco é aquele que não trabalha para salvar a própria alma” (São Filipe Néri), e também: “A salvação eterna não é só o mais importante, senão o único negócio que nesta vida nos interessa” (Santo Afonso Maria de Ligório), e ainda: “No mundo há um só bem e um só mal. O único bem, salvar-se; condenar-se, o único mal” (São Francisco Xavier).

Católico, será que os BISPOS e PADRES sentem amor pelas almas? Preocupam-se em salvá-las? Estão dispostos a sofrer perseguição para libertá-las das garras do demônio?

Desgraçadamente acontece manifestação de gays; mas BISPOS e PADRES não fazem nada para impedir. E as almas imortais?

Todos os finais de semana acontecem bailes nas cidades e eles não protestam contra essa baixaria. E as almas imortais? “Numa palavra, é uma loucura fazer da noite dia e do dia noite, e trocar os exercícios de piedade por vãos prazeres. Todo baile está cheio de vaidade e emulação e a vaidade é uma disposição muito favorável às paixões desregradas e aos amores perigosos e desonestos, que são as consequências ordinárias dessas reuniões” (São Francisco de Sales, Filotéia, Parte III, 33), e: “Não há um só mandamento na Lei de Deus que o baile não transgrida... O demônio rodeia um baile como um muro cerca um jardim... As pessoas que entram num salão de baile, deixam na porta o seu Anjo da guarda e o demônio o substitui, de sorte que há tantos demônios quantos são os dançarinos” (São João Maria Vianney).

São milhares os botecos que oferecem a bebida alcoólica, urina de Satanás; e não há nenhuma reprimenda por parte dos BISPOS e PADRES. E as almas imortais? “Os botecos é a tenda do demônio, a escola onde o inferno prega e ensina a sua doutrina, é o lugar onde se vende as almas, onde se perdem as fortunas, o dinheiro, onde a saúde se perde, onde começam as rixas, as brigas e onde se começam os assassinatos” (São João Clímaco), e: “Os donos dos botecos roubam o pão das pobres esposas e de seus filhos, dando bebida a esses beberrões, que gastam no domingo aquilo que ganharam durante a semana. O demônio escarra em cima dos donos dos botecos” (São João Maria Vianney), e também: “… os bêbados não possuirão o reino de Deus” (1 Cor 6, 10).

Milhares de senhoras, moças e meninas usam roupas escandalosas dentro e fora da igreja e não são censuradas. E as almas imortais?  “Certamente, uma mulher que veste roupa imoral pode condenar-se. E pode condenar-se, quer pelo pecado que comete ela mesma, quer por que causa a condenação de outras pessoas” (São João Eudes), e: “Se o sangue de Abel bradou ao céu por vingança, qual não será o brado do Sangue de Jesus Cristo contra aqueles que dão escândalo... quem dá escândalo, completa a obra do demônio, seduzindo as almas e levando-as à eterna perdição; é pior que o demônio, que afinal nada mais pode fazer senão rodear-nos qual leão que ruge, porém, do modo invisível e em certa distância, sempre em atitude de fugir quando nota resistência de nossa parte. Inteiramente outra é a influência de quem dá escândalo. Este, com semblante de amigo se acerca de nós; à nossa resistência ele opõe suas blandícias, e não desiste dos seus maus intentos enquanto não os tiver realizado” (Pe. João Batista Lehmann, Euntes Praedicate! Vol. III).

Católico, centenas de BISPOS e milhares de PADRES são omissos e não corrigem os católicos que participam dessas manifestações e lugares perigosos... dizem que não podem EXIGIR MUITO porque os fiéis se zangam e não vão mais à igreja, isto é, se dão por satisfeitos com CADÁVERES AMBULANTES.

É preciso exigir a mudança de vida dos católicos. Exigir sem medo... com coragem... com firmeza, como fazia São João Crisóstomo: “Por isso advirto-vos e digo em alta voz que se alguém, depois desta minha exortação e ensinamento, voltar à perniciosidade dos teatros, não o receberei dentro destas paredes, não lhe administrarei os sacramentos, não lhe permitirei que se aproxime da sagrada mesa. Assim como os pastores afastam das sãs as ovelhas infestadas de sarnas, para não as contagiarem, da mesma forma o farei” (Contra os espetáculos).

Basta de “cheirar” defuntos ambulantes... Basta de ENGORDAR ALMAS para o INFERNO.

Com muita generosidade digo que 90% dos católicos não fazem nada pelo bem e crescimento da Santa Igreja.

Vivem mergulhados no mundo “atarefados” em pecar e realizar todo tipo de bagunça.

Até quando a hierarquia da Igreja Católica fará vistas grossas para esse tipo de católico? Até quando colocará no censo esses defuntos que só dão escândalos? Até quando fingirá em dizer que existe UM BILHÃO de católicos?

A situação é alarmante! Os muçulmanos invadem o ocidente, constroem mesquitas, espalham o alcorão... e ao mesmo tempo fecham as portas para os católicos em seus países, e os que ainda estão lá são proibidos até de se benzerem em público.

Os protestantes atacam a Santa Igreja com pesadas calúnias e usam de todos os meios para desviarem os católicos do verdadeiro caminho. E ainda existem católicos que andam atrás desse povo querendo aproximação.

E o pior de tudo é que os inimigos do catolicismo encontram a maioria dos católicos cambaleando pelo caminho da TIBIEZA e da INÉRCIA... sem formação nem vivência... presa fácil... muito fácil: “A ignorância religiosa e a deficiente assimilação vital da fé, que deriva de uma catequese insuficiente ou imperfeita, deixa os batizados desarmados frente aos perigos reais do secularismo ou do proselitismo das seitas fundamentalistas, com o conseguinte risco de que estes substituem as valiosas e sugestivas expressões cristãs da piedade popular” (Discurso de João Paulo II ao primeiro grupo de bispos argentinos em sua visita ad limina Apostolorum – 1995).

Basta de ENGORDAR ALMAS para o INFERNO. É preciso saber quem é católico e exigir do mesmo uma mudança de vida: “... conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas me conhecem” (Jo 10, 14).

É preciso exigir que cada católico seja missionário: “Nenhum crente, nenhuma instituição da Igreja pode esquivar-se deste dever supremo: anunciar Cristo a todos os povos” (João Paulo II, Carta Encíclica “Redemptoris Missio”, 3). Agora só falta “tirar” do papel e passar para a vida.

Será que existe dentro da Santa Igreja a “política” do número? Estão mais preocupados com o número do que com a VIVÊNCIA.

Se a solução for número; nos cemitérios existem milhões de defuntos.

São Pio X escreve: “... porque, para a salvação de um adulto requerem-se não só o BATISMO e a FÉ, mas também as OBRAS conformes à fé” (Catecismo Maior, 171).

Onde estão as OBRAS de MILHÕES de católicos?

Nos botecos? Nos prostíbulos? Nos salões de bailes? Nas noitadas? Nas imoralidades? Na tibieza? Na inércia? No comodismo? Na “poltronice”? No relaxamento? Na ociosidade?

O Papa João Paulo II chamou o continente Americano de “Continente da esperança”, enquanto que o Papa Bento XVI conta com a África: “A África está chamada à esperança através de vós e em vós. Com Cristo Jesus, que pisou o solo africano, a África pode transformar-se no continente da esperança” (Yaondé, Camarões).

Os Papas chamam, mas será que os católicos estão correspondendo ao chamado? Pelos resultados obtidos, alguma coisa está errada.

 

Anápolis, 15 de agosto de 2010

Pe. Divino Antônio Lopes FP.

 

 

 

 

  -1- -2- -3- -4- -5- -6- -7-  

 

Escolher outra Coleção