Instituto Missionário dos Filhos e Filhas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e das Dores de Maria Santíssima

 

20 de fevereiro de 2018

 

 

Apresentação

 

 

Prezado leitor, seja forte e determinado, faça a sua parte e implore a Deus o auxílio necessário para suportar e vencer as grandes dificuldades de cada dia. Leia atentamente esses pensamentos escritos pelo Pe. Divino Antônio Lopes FP(C), e revigore seu ânimo para essa difícil luta.

 

 

Filhos e Filhas da Paixão de Nosso Senhor

Jesus Cristo e das Dores de Maria Santíssima

 

 
01

 

Os mundanos correm desesperadamente atrás das máximas e vaidades do mundo… cometem loucuras em busca de uma felicidade postiça e de prazeres momentâneos. Para cessar essa correria… basta “mergulhar” no Deus Infinito… n’Ele encontramos tudo!

 

02

 

O mundo está se tornando um grande hospital… imenso hospital… hospital do homem sem Deus: “O vazio do homem sem Deus é uma ferida que grita, que clama, e que nada, a não ser Deus, pode curar” (Pe. Francisco Faus).

 

03

 

Todos os soldados de Jesus Cristo combatem o pecado… aquele que não odeia e evita o pecado mortal, não pode pertencer ao exército do Rei Jesus.

 

04

 

Quem ama verdadeiramente a Deus, ama também o próximo. É preciso fazer pela alma do próximo, quanto permitirem nossas forças. Não podemos imitar o péssimo exemplo de Caim que disse: “Acaso sou guarda de meu irmão?” (Gn 4, 8).

 

05

 

O mundo é uma grande “floresta” cheia de “árvores” tortas, isto é, de pessoas que saboreiam as coisas caducas da terra.

 

06

 

O nosso mundo é o mundo dos “corcundas”, isto é, de pessoas que não olham para o alto… para Deus… para o céu… caminham inclinadas para o terreno… só querem saber do terreno… procuram e saboreiam somente o terreno.

 

07

 

O homem não é uma máquina… ele tem que trabalhar, mas é preciso também descansar… o descanso é necessário ao homem, porque até a máquina precisa ser abastecida… sabemos que o arco retesado arrebenta. Mas descansar não é relaxamento, não é “esticar” o corpo numa cama e “dependurar” a alma no cabide. O descanso não significa soltar o “jumento” do corpo para pastar em qualquer “moita”… não consiste em esquecer todos os controles, os bons hábitos, o espírito de oração e se abandonar ao que der e vier.

 

08

 

Milhares de pessoas vivem santamente durante o tempo do trabalho e do estudo… ocupadas em cumprir bem o dever… com pontualidade e responsabilidade… mas jogam tudo fora no tempo de férias… se transformam em pagãs. São pessoas imaturas! Precisam de holofotes para se comportar bem!

 

09

 

Sabemos que a alma não pode ter férias, porque o demônio não dorme nem descansa. A natureza no descanso se refaz… mas o relaxamento de tantos homens no descanso se desfaz.

 

10

 

Descansar não significa cruzar os braços e ficar ocioso; mas sim, mudar de atividade sem abandonar o bem e a alma. Significa a reconstituição das forças físicas para uma melhor intensidade interior.

 

11

 

O que descansa não é o não fazer nada ou o relaxar tudo; mas sim, é a mudança de ocupação. As boas férias são aquelas em que pode haver uma atividade muito grande, porém, diferente.

 

12

 

É preciso tomar muito cuidado com o homem ridículo, isto é, digno de riso e de escárnio. Ele se julga grande e importante… sendo que na verdade é uma “miudeza”. Devaneia sobre as próprias qualidades… é o que se chama de convencido e vaidoso. Vive a falar de si e não consegue enxergar a própria insignificância.

 

13

 

Fomos criados para a luta… esse mundo é um campo de batalha. Perder a batalha da vida é perder tudo: Deus… o céu… a alegria infinita. Não são apenas os pecados de ações que levam a tal derrota. Podemos ser derrotados por omissões. Deixar de fazer, quando havia obrigação de fazer, pode ser tão mortal quanto fazer o errado: “Assim, aquele que sabe fazer o bem e não o faz incorre em pecado” (Tg 4, 17).

 

14

 

A preguiça tem muitos “nomes” e muitas “faces”. Por preguiça, podemos ler o livro de que gostamos e deixar de ler o que devemos. Por preguiça, podemos ficar conversando horas a fio com uma pessoa a que temos afeição e deixar de atender ao desconhecido que chega a nós, mas que não é simpático. Por preguiça, realizamos os trabalhos agradáveis e deixamos sempre para o fim o que é difícil. A preguiça, pois, leva a fazer, mas a um fazer que disfarce um deixar.

 

15

 

A preguiça leva a viver uma vida sem ideal. Porque o homem que não tem ideal, imagina que nada tem a exigir de si. Cruza os braços e acha que está tudo em ordem. Sutilmente nos desinteressamos do que é grandioso, não por não sermos sensíveis ao belo e ao grande, mas para não termos que abraçar uma causa, não termos que nos dedicar a um amor.

 

16

 

A preguiça é tão parecida com o horrível bicho preguiça! Ambos deslizam, ambos com grandes unhas egoisticamente desfrutando do instante sem perceber que, às vezes, o galho está sendo serrado por detrás.

 

17

 

A quem muito se deu, mais será pedido; e, assim como aquele que tem, é este que continua a receber; também é certo que maior conta este tem que dar. Portanto, ter muito e não fazer muito é trair.

 

18

 

Ter muito e não fazer muito é ficar como essas sementes que secam e cada vez mais secas ficam fechadas em vidros dentro dos museus. Quer dizer que ter muito e não fazer muito é ser um portento de monstruosidade.

 

19

 

O homem que se fecha no egoísmo torna-se repugnante e nojento… apodrece!

 

20

 

O relaxamento com que se executa uma ação, a repugnância com que se leva a cabo alguma coisa, só para se ver livre, tudo isto diminui a perfeição daquilo que se faz e diminui o merecimento de quem faz.

 

21

 

A grandeza de um empreendimento aumenta o mérito. Quando nos inflamamos por um grande ideal, embora difícil, árduo e laborioso, então é que nos damos a ele de corpo e alma.

 

22

 

Entusiasmados por uma empresa não sentimos a perda da saúde, as noites passadas em claro, os anos de estudo, os exercícios preparatórios. E procuramos realizar com dedicação e zelo cada um desses particulares ou dessas exigências, porque a grandeza do empreendimento nos anima a cada passo. As dificuldades são como esporas que aceleram o caminhar.

 

23

 

Quão importante é desejar! Poucos refletem neste fato, mas a verdade é que nunca se fez nada de bom na terra, sem que isto fosse precedido de um desejo. O homem que nada deseja, é realmente um traste.

 

24

 

Não podemos lutar somente para perder tempo; mas sim, devemos lutar para vencer… e vencer bem… vencer e “convencer”. Quem luta pensando na derrota jamais será vitorioso.

 

25

 

O desanimado contenta somente em lutar… não deseja a vitória! Esse será um “eterno” derrotado… muita luta, muito esforço… muitas “feridas”… nenhum “troféu!”

 

26

 

Feliz da pessoa que luta todos os dias com vontade firme de vencer sempre. O vencedor não aceita andar de mãos dadas com a derrota.

 

27

 

A vida é curta… breve… não devemos empurrá-la; mas sim, viver intensamente cada minuto como se fosse o último. Descansar? Somente no céu!

 

28

 

Aquele que não luta para vencer vícios e pecados… vive com as costas voltadas para Deus e com os olhos fixos no Inferno Eterno.

 

29

 

Não podemos deixar de caminhar por causa das “tempestades”, isto é, das dificuldades, provações e obstáculos. O céu é a pátria dos heróis de Deus… daqueles que suportaram as provações sem desanimar… sem recuar… sem retroceder.

 

30

 

Descansar quando for necessário não é derrota. Derrota vergonhosa é desistir e retroceder diante de um obstáculo.

 

31

 

Quando decidimos realizar o bem… construir a nossa “mansão” no céu com os “tijolos” das boas obras… o “vento” das provações sopra violentamente contra nós… então é preciso resistir… não ceder… não se dobrar… o céu é a Morada Eterna dos ousados… dos “teimosos”.

 

32

 

A dificuldade é uma “boxeadora” que nocauteia somente os fracos, covardes e frouxos.

 

33

 

Deus quer que perseveremos nas horas difíceis… é muito fácil caminhar na claridade.

 

34

 

Deus quer que sejamos “estrelas” brilhantes, principalmente quando a “escuridão” das dificuldades nos “envolver”.

 

35

 

Não podemos deixar de sonhar, mesmo quando esse “sonho” vem acompanhado do “pesadelo” das provações.

 

36

 

O mundo está cheio de pessoas “pesadelo”, isto é, “amigos” que lutam continuamente para “roubar” o nosso “sonho”.

 

37

 

O inimigo é uma “catapulta” que nos “lança” para o combate. Sem essa “catapulta” a vida seria “insossa”.

 

38

 

Quando fixamos os olhos na grandeza do céu… enxergamos a pequenez e ninharia desse mundo tão “adorado” pelos mundanos e amigos do demônio.

 

39

 

Deus ama os condenados ao inferno… mas eles não amam a  Deus… estão fechados para o amor e “escancarados” para o ódio.

 

40

 

Não devemos perder tempo medindo a distância do caminho… contando os “espinhos”… pesando as “pedras”… o “caminho” do céu é assim: cheio de dificuldades, provações e obstáculos… mas quem vive na presença de Deus jamais desistirá: “Só ele é minha rocha, minha salvação, minha fortaleza, - jamais vacilarei!” (Sl 62, 7).

 

41

 

Como é gratificante trabalhar com pessoas responsáveis, é um bálsamo no coração… como é desgastante, enfadonho, tedioso e “desgraçante” trabalhar com o irresponsável.

 

42

 

Feliz da pessoa que vive somente para Deus… que não se apoia nas criaturas… que fica indiferente diante dos louvores e zombarias… da estima e do desprezo dos homens.

 

43

 

Sem luta não há vitória… e essa luta deve ser contínua, firme e apoiada no Deus que tudo pode. Lutar sem a força do alto é construir sobre a areia movediça.

 

44

 

Para chegar ao lugar desejado, é preciso quebrar a “pedra” do obstáculo com a “marreta” do desejo de vencer.

 

45

 

Aquele que caminha longe da Luz do alto, isto é, longe de Deus, encapotará na primeira “curva”… na primeira dificuldade.

 

46

 

O coração de Jesus é um abismo de todas as virtudes… enquanto que o coração do homem é um abismo de falsidade, interesse e traição. Quem seguir o primeiro se salvará; quem “mergulhar” no segundo se condenará.

 

47

 

Quem despreza o Deus Eterno para se inclinar diante dos prazeres do mundo jamais será feliz. O que passa não pode alegrar e satisfazer a alma espiritual e imortal.

 

48

 

Aquele que faz amizade com o pecado mortal abraça o demônio e despreza a Jesus Cristo… volta as costas para o céu e escancara o coração para o inferno.

 

49

 

Num coração cheio de ódio não há espaço para o amor de Deus… aquele que odeia vive nas trevas e se afasta da Luz Eterna.

 

50

 

Se o mundo fosse um “oceano” de paz, alegria e felicidade, como afirmam os mundanos… o filho pródigo não teria voltado decidido para a casa do pai.

 

51

 

É preciso saber refrear com vigor a língua. Abandonada a língua a si mesma, pode ser muito nociva… e a língua refreada, pode ser muito útil.

 

52

 

A língua solta e maldosa é uma “espingarda” de três canos: mata aquele que fala… mata aquele que ouve com ar de aprovação… e muitas vezes mata até aquele de quem se fala, seja pela perda da sua reputação e honra.

 

53

 

Feliz da pessoa que luta para vencer… vencer sempre… vencer bem… que não estende a mão para a derrota.

 

54

 

Para entrar no céu é preciso perseverar até o fim… percorrendo o caminho dos Mandamentos da Lei do Senhor. A perseverança é a “chave” do céu; sem essa “chave” é impossível entrar na Jerusalém Celeste.

 

55

 

A pior de todas as derrotas é deixar de caminhar para o céu… deixar de caminhar para o céu é enveredar pelo caminho do inferno.

 

56

 

Aquele que é derrotado “hoje” não perdeu tudo, porque poderá vencer “amanha”. Mas aquele que desiste de lutar perde tudo!

 

57

 

O verdadeiro vencedor é aquele que nunca desiste… é aquele que “voa” sobre as “montanhas” das dificuldades… que “salta” altas muralhas… que “esmaga” os espinhos… que “chuta” as pedras… com os olhos fixos no prêmio eterno: “Para ganhar o céu, todo sofrimento é pouco” (São José Calazans).

 

58

 

A “montanha” da santidade tem poucos “concorrentes”… porque muitos “concorrem” ao abismo do inferno: “… largo e espaçoso é o caminho que conduz à perdição. E muitos são os que entram por ele” (Mt 7, 13).

 

59

 

Milhões de pessoas “possuem” Jesus Cristo nos lábios e o demônio no coração: “Este povo me honra com os lábios, mas o coração está longe de mim” (Mt 15, 8).

 

60

 

Aquele que confia no poder de Deus vence qualquer obstáculo… porque Deus o “carrega” nos braços: “Com meu Deus eu salto a muralha” (Sl 17, 30).

 

61

 

Uma “viagem” sem obstáculos torna-se monótona… enfadonha… sensabor. Agradeçamos a Deus pelo “tempero” das provações… com ele a “viagem” torna-se mais “saborosa”.

 

62

 

O caminho onde não há obstáculo, com certeza não é o caminho de Cristo Jesus: “Se alguém quer vir após mim… tome a sua cruz” (Mt 16, 24).

 

63

 

Vencedor é aquele que sabe se levantar depois de uma queda e continuar a caminhada rumo ao céu sem desistir.

 

64

 

Não invejemos os grandes desse mundo, porque somente Deus é grande… os grandes do mundo passam como a erva que logo seca… mas Deus é Eterno e Infinito.

 

65

 

Não basta iniciar bem um trabalho… mas é preciso concluí-lo… aquele que desiste na metade do “caminho” não será recompensado. O mesmo acontece na vida espiritual… não basta ser santo um dia, uma semana, um mês… mas é preciso morrer com a graça santificante na alma. O inferno é a pátria tenebrosa dos “incompletos!”

 

66

 

Cometer o pecado mortal… se arrepender… confessá-lo… não significa que já está salvo… existe muito “chão” pela frente: “É o fim que alcançará a recompensa” (São Jerônimo).

 

67

 

Infeliz da pessoa que perde tempo seguindo as máximas do mundo… o caminho do mundo leva ao abismo eterno. Para se salvar… para entrar no céu, Felicidade Eterna, é preciso andar com fidelidade, firmeza e alegria por onde Jesus Cristo andou… Ele é o caminho seguro para o céu: “Eu sou o caminho…” (Jo 14, 6).

 

68

 

Antes do Salvador vir ao mundo, o caminho mais trilhado pelos homens era a estrada larga do prazer, por onde tantos iam ao inferno… foi o caminho aberto por Adão ao ser expulso do paraíso. Jesus Cristo veio fechar esse caminho e abrir outro, por onde os homens chegassem a conseguir a sua felicidade eterna. Nosso Senhor abriu esse caminho, mas não obriga ninguém a entrar por ele. O céu não é a pátria dos forçados; mas sim, dos que amam.

 

69

 

O fofoqueiro é um péssimo faxineiro; ao invés de usar a “vassoura” da língua para varrer o lixo da própria vida, prefere intrometer no “quintal” alheio.

 

70

 

O fofoqueiro é muito “carinhoso”… quer abraçar todas as vidas com a língua, menos a dele.

 

71

 

O fofoqueiro está sempre inconformado… não suporta ver o próximo feliz.

 

72

 

A vida do ocioso é uma “fábrica” de fofocas.

 

73

 

O fofoqueiro é um grande “milagreiro”… ele ajuda o próximo a “descobrir” coisas que nunca realizou na vida.

 

74

 

Somente o idiota “aluga” os ouvidos para o linguarudo.

 

75

 

Somente nas provações é que conhecemos a valentia e a fortaleza de uma pessoa.

 

76

 

Devemos nos manter de pé diante do “vendaval” das dificuldades… mesmo que o nosso interior esteja “tremendo” e se “desmoronando”. Não existe super-homem nesse mundo!

 

77

 

Não podemos nos desesperar diante de uma queda; pelo contrário, “usemos” dela para “reaparecermos” luminosos: “Onde abundou o pecado, a graça superabundou” (Rm 5, 20).

 

78

 

É preciso se levantar com valentia depois de uma queda… quem é amigo de Deus não pode deixar de brilhar com o exemplo de vida… o sol se põe e nasce no outro dia com grande resplendor!

 

79

 

Não podemos nos esmorecer diante do desprezo e falta do apoio das pessoas… é assim que aprendemos a confiar somente em Deus e obtermos as mais difíceis vitórias.

 

80

 

Jesus Cristo é o verdadeiro caminho. Na gruta de Belém Ele abriu o caminho da pobreza, do desprezo do mundo, da humildade e do sofrimento… este é o verdadeiro caminho da salvação.

 

81

 

Devemos usar das riquezas desse mundo para fazer o bem… mas não podemos colocá-las no lugar de Deus. Se o caminho do céu fosse a riqueza, a glória mundana e o prazer dos sentidos, Jesus o teria escolhido e andado por ele durante a sua vida mortal… pois era o Senhor das riquezas e de todos os bens que no mundo há.

 

82

 

Jesus Cristo, Deus verdadeiro, não engana, não mente… não esconde a verdade dos seus amigos. Assim que o Senhor nasceu, sobre as duras palhas da manjedoura e na pobreza de uma gruta… na privação não só do cômodo, mas até do necessário, Ele “grita” com o exemplo para todos os ricos e grandes do mundo: Eu sou o caminho para chegar à verdadeira felicidade!

 

83

 

Quem ama verdadeiramente a Deus e confia no seu poder… não fica parado e de braços cruzados, mas luta para viver na presença d’Ele: “Quanto a mim, estar junto de Deus é o meu bem!” (Sl 72, 28).

 

84

 

Aquele que abandona a amizade de Deus para mendigar o lixo e lama do mundo… vive mergulhado no vazio: “Árido está o meu espírito, porque se esquece de apascentar em ti” (São João da Cruz).

 

85

 

Aquele que trata o corpo com mimo, delicadeza e carinho excessivo, será “devorado” por ele: “Não sabeis que a carne se rebela, quando é acariciada?” (São Godofredo).

 

86

 

Quem não conhece a Deus vive numa completa ignorância… possui uma “luz” que não ilumina: “Até mesmo o mais perfeito dentre os homens não é nada, se não tem vosso saber” (Sb 9, 6).

 

87

 

É grande loucura voltar as costas para o céu… repouso eterno e felicidade que não termina… para buscar nesse mundo violento e falso, o repouso que não satisfaz: “Só temos uma vida e não ficaremos para sempre neste mundo. Vamos de viagem, e louco é o que procura aqui morada e lugar de repouso”(Bem-aventurado Eduardo Poppe).

 

88

 

Deus é Eterno, Poderoso, Imenso, Onipotente… quem vive na sua presença “sorri” das ofertas vazias do mundo caduco e passageiro: “Diante da grandeza de Deus, todas as criaturas são como se não existissem” (Is 40, 17).

 

89

 

Abandonar o Criador para se apoiar nas criaturas, é o mesmo que construir sobre a areia… a “casa” espiritual desabará na primeira “tempestade”: “O homem é um miserável que nada pode, um cego que nada vê; pobre e nu, que nada possui” (Ap 3, 17).

 

90

 

Temos uma alma espiritual e imortal… ela foi criada por Deus e comparecerá diante d’Ele logo após a morte para ser julgada. Feliz da pessoa que comparecer diante do Salvador com a alma “branca”, isto é, santa… sem o pecado mortal: “Se Deus nos deu uma alma, é para que façamos alguma coisa com ela… Podemos fazer com ela o que quisermos: deixá-la branca como a neve ou negra como o carvão” (Pe. Ronald Knox).

 

91

 

O obstáculo é um “quebra-molas” que nos “acorda” durante a viagem dessa vida.

 

92

 

Aquele que está alicerçado em Deus com profundas raízes… não treme diante das “tempestades” furiosas.

 

93

 

Muitas pessoas se “enforcam” com a “corda” do sofrimento.

 

94

 

Se a “escada” do céu é alta e difícil de “subir”… não desista; você terá uma eternidade para “descansar” e se alegrar.

 

95

 

Aquele que quiser entrar no céu deve ser avaro em relação ao tempo… porque a nossa coroa no céu está dependente do tempo bem ou mal empregado aqui nessa vida passageira.

 

96

 

Para se salvar não basta plantar… é preciso plantar “árvores” frutíferas e não ervas daninhas. Na hora da morte colheremos o que houvermos plantados e na medida e qualidade da plantação.

 

97

 

A ociosidade é a “fonte” da morte… é ela a fonte de todos os pensamentos maus e de todos os crimes.

 

98

 

O ocioso “colhe” a desgraça… a ociosidade é a perda irreparável do tempo e a aquisição de todas as misérias.

 

99

 

O ocioso caminha para não chegar… “sonha” para não realizar… faz planos para não executá-los. Esse ócio “cansa!”

 

100

 

Aquele que fixa os olhos em Cristo Jesus persevera até o fim… suporta as dificuldades… “escala” as “montanhas” dos obstáculos… e chega ao lugar desejado; enquanto que o distraído… que desvia os olhos para as coisas caducas desse mundo… gira sem rumo e jamais chegará ao “porto” desejado: “Quando vem a tormenta, desaparece o ímpio, mas o justo está firme para sempre” (Pr 10, 25).

 

 

 

Pe. Divino Antônio Lopes FP (C)

20 de fevereiro de 2018

 

Voltar ao topo

 

Este texto não pode ser reproduzido sob nenhuma forma; por fotocópia ou outro meio qualquer sem autorização por escrito do autor Pe. Divino Antônio Lopes FP(C).

Depois de autorizado, é preciso citar:

Pe. Divino Antônio Lopes FP(C). “Pensamentos diversos II”

www.filhosdapaixao.org.br/escritos/colecoes/livros/058_pensamentos_diversos_ll.htm