Instituto Missionário dos Filhos e Filhas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e das Dores de Maria Santíssima

Cartas ao Papa Francisco

Carta 03

 

Comprovante de Correio da carta postada no dia 07/05/2018 para o Papa Francisco.

 

Anápolis, 01 de maio de 2018

Memória de São José Operário

 

A Sua Santidade

Papa Francisco

“Doce Cristo na terra” (Santa Catarina de Sena, Carta nº 196,3).

 

Santo Padre, adoremos a Jesus Sacramentado; Ele é o Deus do verdadeiro amor e merece todo o nosso respeito. Quem não zela pela Santíssima Eucaristia assusta até aos demônios, monstros do ódio e revolta contra Nosso Senhor: “Jesus é muito ofendido na Eucaristia pelas múltiplas irreverências cometidas pelos próprios cristãos; pelos sacrilégios, cujo número e malícia causam admiração aos próprios demônios” (São Pedro Julião Eymard, A Divina Eucaristia, Vol. 3).

 

Bondoso Pastor, milhões de católicos estão angustiados, tristes e amargurados diante da terrível perseguição contra Jesus Cristo Sacramentado. Por que essa perseguição contra Nosso Senhor, Amor dos amores? Estão trabalhando com fúria, deboche e zombaria contra o Senhor que está “no meio de nós”… que nos trata com carinho, amor e zelo: “O chorar com esse divino Consolador é uma doçura que excede todas as delícias do mundo” (Santo Afonso Maria de Ligório).

Nosso Senhor está sendo tão ofendido com muitos sacrilégios (missa-afro, missa do vaqueiro, missa cabocla e outras; músicas profanas e frenéticas na celebração; mulheres seminuas e homens de bermuda comungando; partículas caindo pelo chão na hora da comunhão; abóboras, tijolos, correntes, terra… no ofertório e outros (Catecismo da Igreja Católica, 2120), e agora fabricaram mais um “punhal” para feri-lo: intercomunhão, isto é, Comunhão para não católicos em casamento misto… que esse absurdo não se concretize! Isso é um horror… uma loucura… um grande atrevimento contra o Senhor presente na Hóstia consagrada. É correto dar a Eucaristia para um herege? Estão usando todos os meios para espezinhar, maltratar e ofender a Nosso Senhor… estão pisando n’Ele com o sapato do ódio. Onde estão querendo chegar? No inferno!

Vossa Santidade é o Doce Cristo na terra… é o sucessor de São Pedro… é o guardião da Santíssima Eucaristia… é o nosso Amado Pastor mas se não impedir  essa perseguição contra Jesus Sacramentado, será julgado terrivelmente por Deus. O senhor tem autoridade para impedir essa perseguição contra Jesus Sacramentado. Incentivá-la é se colocar contra o Salvador e correr risco de se perder. Apoiar sacrilégio é um grande atrevimento, falta de fé, amor e respeito pelo Salvador. Agora, nós consagrados, temos Jesus Sacramentado nas mãos… mas na hora do Juízo, estaremos nas mãos d’Ele. Façamos um sério exame de consciência! Aquele que permite abertamente o sacrilégio não pode ficar livre do pecado mortal.

Querido Pastor, um protestante acredita na presença real de Jesus na Eucaristia? Eu respondo. Não! Não só não acredita, mas zomba do Corpo do Senhor chamando-o de “bolachão” dos católicos. Dar comunhão para essas serpentes venenosas é um absurdo… uma vergonha… um atrevimento… até Satanás está assustado com essa atitude. Estão querendo agradar porcos com a pérola do Corpo do Senhor… estão querendo enfeitar o lixo do coração em pecado mortal com o Lírio da Santíssima Eucaristia. Essa ideia, com certeza, veio do inferno. Estão querendo agradar os inimigos da Santa Igreja com a “joia” preciosa da Eucaristia. Quanto atrevimento e zombaria contra o Salvador!

Será que estão querendo atrair pecadores abusando da Eucaristia… profanando o Corpo do Senhor? Porco se contenta com lama, não com água cristalina. A Igreja Católica não precisa de multidão; mas sim, de santos (Jz 7, 1-8; Mt 7, 13-14). Se número resolvesse algo, cemitério seria a fonte da vida. Dar o Pão dos Vivos para o morto espiritualmente é sinal claro de loucura.

A atitude de dar a Santíssima Eucaristia para quem está em pecado mortal “agride” terrivelmente a Doutrina Católica… nem o senhor, Santo Padre, pode fazer isso… pode dar essa licença… a Palavra de Deus não permite (1 Cor 11, 17-34). É grande cegueira querer agradar quem está em pecado mortal com o Pão da Vida! Essa atitude é diabólica. A Igreja Católica Apostólica Romana é a Esposa de Jesus (Ef 5, 25-33), não é um circo falido. Estão fazendo muita gracinha com Jesus Eucarístico… esse show, com certeza, terminará nas chamas eternas.

Jesus Sacramentado é o Amor dos amores… e o sacrilégio é o “pecado dos pecados” (Santo Afonso Maria de Ligório). Aquele que se aproxima da Santíssima Eucaristia, com a alma em pecado mortal, comete um gravíssimo pecado… não pecado venial, mas sim, pecado mortal… terrível sacrilégio. É muito triste incentivar o sacrilégio! Jesus Cristo não pode ser obrigado a entrar num coração que não quer se converter. Quem permite isso está fazendo gracinha com a Eucaristia… quer agradar o pecador, desagradando o Salvador.  Absurdo!

O grande São João Crisóstomo escreve sobre o pecado de sacrilégio: “Este pecado é tão enorme, comparando-lhe todos os demais, não acha outro igual… quem o comete, especialmente sendo sacerdote, é muito pior do que o próprio demônio”, e São Pedro Damião diz: “Se com os outros pecados ofendemos a Deus em suas criaturas, com este ofendemo-lo em sua própria pessoa”.

São Vicente Ferrer escreve: “Aquele que tem a ousadia de comungar em pecado mortal atenta contra o corpo de Jesus Cristo, obriga esta vítima inocente a morar em seu coração cheio de corrupção, entrega o Cordeiro imaculado nas mãos dos demônios que o insultam da mais horrenda maneira”.

Santo Agostinho compara os sacrílegos aos pérfidos judeus que crucificaram o Salvador. Com esta diferença: Que os judeus crucificaram o Senhor da glória enquanto era terrestre e mortal, e os sacrílegos crucificam-no agora que reina no céu; aqueles só uma vez se atreveram a crucificá-lo, estes renovam o deicídio frequentes vezes; aqueles se tinham declarado inimigos de Cristo, estes o traem ao mesmo tempo em que, pelo menos exteriormente, o reconhecem por seu Deus, simulando reverência e devoção, e imitando Judas, abusam do sinal da paz.

Santo Padre, é preciso cessar agora com esses ataques contra Jesus Sacramentado.

São Pio X escreve: “Quem comungasse em pecado mortal receberia a Jesus Cristo, mas não a sua graça; pelo contrário, cometeria sacrilégio e incorreria na sentença de condenação” (Catecismo Maior, 630).

O Catecismo Romano (Concílio de Trento) ensina: “Devemos examinar cuidadosamente nossa consciência, se não estamos talvez manchados de alguma culpa mortal, de que seja preciso penitenciar-nos. Deve ser extinta, antes de comungarmos pelo remédio da contrição e da Confissão. Pois o Santo Concílio de Trento decretou que ninguém pode receber a Sagrada Eucaristia, com a consciência de algum pecado mortal; embora se julgue contrita, deve a pessoa purificar-se antes, pela Confissão sacramental, contanto que haja a oportunidade de um sacerdote” (Parte II, IV, 55).

O Catecismo da Igreja Católica diz: “O sacrilégio consiste em profanar ou tratar indignamente os sacramentos e as outras ações litúrgicas, bem como as pessoas, as coisas e os lugares consagrados a Deus. O sacrilégio é um pecado grave, sobretudo quando cometido contra a Eucaristia, pois neste sacramento o próprio Corpo de Cristo se nos torna substancialmente presente” (n.º 2120), e: “Quem quer receber a Cristo na comunhão eucarística deve estar em estado de graça. Se alguém tem consciência de ter pecado mortalmente, não deve comungar a Eucaristia sem ter recebido previamente a absolvição no sacramento da penitência” (n.º 1415).

O Código de Direito Canônico ensina: “Quem está consciente de pecado grave não celebre a missa nem comungue o Corpo do Senhor, sem fazer antes a confissão sacramental, a não ser que exista causa grave e não haja oportunidade para se confessar; nesse caso, porém, lembre-se que é obrigado a fazer um ato de contrição perfeita, que inclui o propósito de se confessar quanto antes” (Cân. 916).

Amado Pastor, diante das verdades ensinadas pela Santa Igreja, o senhor está permitindo um grave “atropelamento” da Doutrina Católica… isso é muito triste e escandaloso.

Jesus Cristo é Deus, não um objeto de pecadores rebeldes, mundanos, gélidos e indiferentes.

Para aquele que recebe Jesus Sacramentado em pecado mortal… Ele não é remédio; mas sim, veneno: “Quem se aproximasse em pecado mortal, nenhuma graça receberia, embora acolha em si o todo-Deus e todo-Homem. Sabes a que se assemelha a pessoa que comunga indignamente? Se assemelha a uma vela molhada na água que apenas faz barulho ao ser encostada ao fogo; e, se por acaso acende, logo se apaga, fazendo fumaça… Quando o homem não possui as devidas disposições, a luz nele não permanece. Ela se afasta e a pessoa confunde-se, apaga-se, cai na escuridão, em duplo pecado. Da comunhão conservará apenas o remorso” (Santa Catarina de Sena, O Diálogo).

Quem vive em pecado mortal e não quer mudar de vida, está claro que “adora” mais o pecado que o próprio Deus. É grande rebeldia dar o Pão da Vida para um defunto!

É inexplicável e intolerável dar a Santíssima Eucaristia para alguém que está com o pecado mortal na alma. Somente a verdade pode libertar um pecador; sacrilégio faz piorar a situação. Essa atitude não abre as portas; mas sim, derruba a casa.

Filialmente,

 

Pe. Divino Antônio Lopes FP (C)